equipamentos de gesso

0
10429

Eu- INTRODUÇÃO :

definição : gesso é um sistema de tecido endurecido com areia usado para fornecer contenção e l’imobilização d’um membro. É deixado no lugar até’para a formação de’um calo sólido em caso de fratura.

ele s’age de’um meio de contenção rígida que consiste em manter os fragmentos ósseos em suas proporções normais.

C’é um gesto extremamente comum.

Há várias indicações em traumatologia. É parte do tratamento de lesões ortopédicas.

A conquista de’imobilização gessada é ato médico delegado ao’enfermeiro.

Monitoramento d’um paciente sob gesso obedece a regras estritas. Incapacidade de controlar compromete responsabilidade e enfermeira do médico.

II- INDICAÇÕES :

1- trauma :

Contenção e imobilização

UMA- Imobilização d’fratura :

  • Durante o tratamento ortopédico para conter uma fratura ou undisplaced foram reduzidos.
  • No pós-operatório após a osteossíntese para garantir a solidez do’uma montagem.

B- ligamentos QUIESCE e conjunta :

Depois de entorse e deslocamento.

2- Em ortopedia e reumatologia :

Para uma retenção temporária na forma de’tala de gesso.

  • Fixação em posição fisiológica d’uma junta deformada : artrite – escoliose.
  • Descansando d’uma articulação em processos infecciosos : osteomielite – artrite.

III- CONFECÇÃO D’UM GESSO :

Um elenco é feito em :

  • sujeito consciente : deve tranquilizar, eu’instale em posição de gesso e limpe a área sem agravar a lesão.
  • sujeito do inconsciente : deve ser seres vigilantes.

1- princípios gerais :

  • Para imobilizar uma joint, deve garantir o segmento extra e subjacente.
  • Para imobilizar um segmento do membro, é necessário imobilizar as juntas sobre e subjacentes.
  • As extremidades são sempre livres : eles permitem a vigilância de’um membro engessado.
  • O gesso tem um alívio da dor.
  • Um gesso é confortável, ele relevos molde osso evitando zonas de compressão e tendo o cuidado de áreas de estreitamento, Por conseguinte, qualquer gesso mal suportado para ser dividida, propagação, bivalves e se isso não é suficiente remover.

2- materiais utilizados :

  • Shears gesso.
  • serra circular.
  • água.
  • papel crepom (para absorver água e facilitar a remoção do gesso).
  • protecção da pele : gesso n’nunca está em contato direto com a pele. jérsei usado para ser colocado na espuma sintética limpo pele e algodão em zonas de compresso para protecção.
  • gesso : na forma de gesso pesado ataduras fácil de moldar, econômico. Mais lento levado a resina.
  • a resina : sob a forma de tiras de iluminar, ajuste rápido, sólido. Não é medo de salpicos de água com a resina, caro.

3- A técnica de fazer d’Um gesso :

  • pele proteger com camisa.
  • Pergunte ao gesso banda sem tensão.
  • Modeler com cuidado ao se casar com os relevos.
  • É necessário manipular com a palma da mão ao invés de’com os dedos.
  • Deixe secar’ao ar livre. O gesso permanece ligeiramente macio até’o que’está completamente seco. Um gesso molhado pode ser deformada e esta deformação pode provocar pressão sobre a pele. Um emplastro seco 24 às 72 horas, dependendo de’espessura do gesso.
  • Será realizada entalhes e janelas posteriormente, se necessário.
  • A janela é uma abertura feita no gesso com serra oscilante para vigilância de’uma área particular ou descompressão de’uma área dolorida. As bordas da janela são protegidas pelo’elastoblasto.
  • Sempre faça um raio-X para ver se a fratura quebrou.’não é deslocado pela colocação do gesso.

IV- OS DIFERENTES TIPOS DE GESSO :

1- No membro superior :

UMA- Gesso antébrachio-palmar ou rebocada headline :

  • Comece abaixo do cotovelo ; a curva é livre.
  • Parar prega palmar.
  • Oblíquo d’vai e volta.
  • imobilização : – pulso – diem – metacarpos (fora das articulações metacarpofalangeanas – phalangienne).
  • Indicação : – mão quebrada (scaphoïde) + fractura do pulso
  • CompRession :

– Epífise distal do’ulna.
– antebraço
– polegar coluna e 5th dedo,

  • striction :

– mais palmaire.
– Topo do’antebraço.
– Em torno do polegar.

B- brachiopods gesso braquiocefálicas ou antebraço-palmar :

  • com início às 1/3 braço superior antes da axila.
  • Parar prega palmar.
  • imobilização : – cotovelo -before braço -poignet
  • indicações :

– fratura no punho.
– ossos fraturados do antebraço ;
– Elbow fratura.

  • Compressão : ditto a manchete rebocada + olecranon + epicôndilo do úmero.
  • striction : ditto a manchete rebocada + a parte superior do gesso.

C- Gesso toracotomia-braquial :

  • Indicação : fratura 1 /3 o topo do úmero.

2- No membro inferior :

UMA- Bota gessada ou pedal de arranque :

  • Comece abaixo do joelho.
  • parada : deixa o lado superior da saliência dedo livre com uma sola 02 para 03 cm na parte inferior.
  • Se o suporte autorizado : estabelecimento de um salto na extensão da tíbia.
  • imobilização : – tornozelo – tarse – metatarso (excluindo a articulação do MP).
  • Indicação :

– Fratura e entorse de tornozelo grave.
– fractura tornozelo.
– fratura de calcâneo.

  • Compressão : – tubérosité tibial + pescoço do perónio + Mollet + garra.
  • striction : base dos dedos + alta gesso.

B- Gesso Cruor-pedal :

  • Comece na raiz da coxa.
  • parada : deixa o lado superior da saliência dedo livre com uma sola 02 para 03 cm na parte inferior.
  • A flexão do joelho de 30 °.
  • imobilização : – joelho – tornozelo – tarse – metatarso.
  • indicações :

– lesão no joelho (entorse – luxação – fratura ….)
– Fratura de tíbia e fíbula (Fíbula)

  • Compressão : Ditto a bota elenco + joelho posterior.
  • striction : Ditto a bota elenco + alta gesso.

C- Gesso pélvico-pedal :

Indicada em casos de fractura pélvica.

D- Grenoullière gessada (tibial gesso cruro) :

Pode ser indicado em casos de entorse do joelho, substituído por cinta Zimmer.

3- Outros materiais talas ortopédicas :

  • calor de placas – formable (exp : fratura dos dedos).
  • Poliuretano ou de fibra de vidro (exp : Minerve e espartilho).
  • Cintar ou de contenção flexível : fitas adesivas elásticas.
  • órtese removível.

V- COMPLICAÇÕES :

1- Complicações vasculo-nervosas :

UMA- síndrome compartimental :

  • definição : aumento da pressão do tecido em’dentro de compartimentos aponeuróticos inextensíveis responsáveis ​​pela compressão arterial, veias e nervos.
  • etiologia : ou edema, hematoma, um emplastro apertado ou a conjugação de três factores podem ser a fonte do aumento das pressões.
  • resultar
  • Interrupção da circulação artériolairc.
  • necrose isquémica do músculo e de nervo peças.
  • Clinique :

– tipo tensão dor significativa, cãibra aumentado à palpação.
– Palidez e frieza.
– Paresia e parestesia em favor de’um déficit sensível – veja paralisia motora das extremidades.
– Tensão da caixa preocupados.
– sensação de queimadura.
– Dor na contração voluntária dos músculos com incapacidade de mobilizar os dedos das mãos e pés.
– Dor de tensão passiva dos grupos musculares afectadas.

  • tratamento : c’é uma emergência cirúrgica.

– O emplastro tem de ser removido que ilustra a tensão aumento do volume do compartimento de esforço.
– Se a regressão dos sintomas n’não é obtido rapidamente, o diagnóstico é muito provável.
– O gesto cirúrgico é uma fasciotomia descarga que deve ser feito em menos de 06h.

B- Síndrome de Volkmann :

  • definição : c’é uma retração isquêmica dos músculos flexores dos dedos e punho, levando a uma garra característica mão.

– C’é a consequência da síndrome compartimental no membro superior em caso de atraso no tratamento cirúrgico.
– C’é a complicação mais temida em caso de trauma no cotovelo e’antebraço.
– Quando esta síndrome parece que é irreversível.

  • ClinEuque :

– No início, o mesmo que para a síndrome do compartimento ;frios e grossos dedos com dedos dobra em branco.
– em segundo lugar ; haverá uma característica dos dedos dobra, da mão de carga mão e punho garra característica síndrome de Volkmann. Nesta fase, a perda funcional dos dedos é final.

2- complicações de pele :

  • Tipos de lesão : eritema – phlyctènc – Escarré – necrose – ostéite.
  • etiologia : diferentes fatores estão no’origem dessas lesões que são : compressão sobre proeminências ósseas, aumentou’edema, subnutrição, lesão por intrusão d’objeto, infecção da pele e feridas insuficientemente limpos.
  • Clinique : dor – coceira significativa – lesões visíveis da pele em uma zona de estreitamento ou atrito – odor desagradável, mesmo náuseas – gesso manchado.

3- Complicações trombo-emboliques :

trombose venosa profunda e embolia pulmonar sua complicação letal.

  • etiologia : imobilização prolongada – cirurgia ortopédica.
  • Clinique : difícil de detectar como impossível palpar o bezerro e mobilizar os ; podemos ter dor moderada na panturrilha com sinais locais como vermelhidão, calor, edema das partes visíveis. Se a embolia pulmonar é os sinais clínicos são do tipo: dor no peito d’início súbito, dispneia, ansiedade, Mal-estar.
  • prevenção :

– No início levantando com a cadeira.
– logo articulação possível.
– contração muscular mínima e mobilização sob gesso.
– Raising membro.
– Monitoramento do’aparecimento de sinais clínicos.
– Prescrição d’tratamento anticoagulante em dose preventiva (MRPA).

4- Complicações ortopédicas :

UMA- malunion :

  • definição : c’é um deslocamento secundário da fratura após imobilização e consolidação em uma posição anormal.
  • etiologia :

– Confecção de’um elenco inadequado em más condições.
– Diminuir d’edema significativo tornando o gesso muito grande.

  • Clinique : dor.
  • Rádio : deslocamento – malunion.
  • tratamento :

– controle de rádio depois de gesso.
– Refazer o gesso se também.
– Não ficar com um gesso quebrado. .
– tratamento cirúrgico (osteotomia correção).

B- Rigidez e anquilose :

  • etiologia : imobilização na posição fisiológica.
  • prevenção :

– Emplastro de acordo com a posição.
– Solte o mais rápido possível l’articulação.
– articulações fisioterapia não-imobilizados.
– curativo na reabilitação.

C- perda de massa muscular :

  • etiologia : repouso total músculos.
  • prevenção : contracções voluntárias dos grupos musculares várias vezes por dia.

WE- EDUCAÇÃO DO PACIENTE :

Uma série de instruções a seguir devem ser claramente explicado ao paciente :

  • Observar o tempo de secagem (24 às 72 horas, dependendo de’espessura do gesso), antes’exercer qualquer estresse mecânico.
  • Não envernizar o gesso, o que impediria o’evaporação natural e resultaria em maceração.
  • Não molhe ou mergulhe o gesso, que enfraquecem o
  • Não insira objetos estranhos sob o elenco.
  • Eleve o membro de gesso nos primeiros dias para reduzir o’edema.
  • Realize contrações isométricas regulares e mobilize as articulações deixadas livres para prevenir’amiotrofia e complicações trombo – emboliques.
  • Ensine-o a detectar sinais de compressão : paresthésie – edema – palidez cutânea ou cianose – localizada ou dor generalizada em todo o gesso.
  • Em caso de febre, emoção, náusea, dor no peito ou falta de ar que você deve consultar um médico.
  • Evite ficar em pé prolongada.
  • Manter a atividade física adequada e Jack-se regularmente
  • Coma limitar adequadamente gorduras e carboidratos, mas concentrando-se em proteínas, cálcio e fibras.

VII- REMOÇÃO DE GESSO :

É na prescrição, após controlo radiológico.

  • materiais necessários : gesso Saw – braçadeira afastador – proteção colchão – sabão neutro – antisséptico.
  • Técnica :

– Instalar a proteção de membro e superfície dura.
– Serrar gesso sobre todo o seu comprimento com uma serra elétrica.
– A l’ajuda de’retrator de gesso aberto.
– Remover o gesso.
– camisa Cut.
– Eu lave com sabão e secagem membro.
– S’existem micro-lesões que devem ser desinfetadas.
– Verifique o motor, calor, corantes e membro de sensibilidade.
– monitorização das radiações.

Curso do Dr. Hamlaoui – Faculdade de Constantino