epidemiologia analítica

0
6245

Eu- INTRODUÇÃO :

  • eu’Epidemiologia estuda a distribuição temporal e espacial dos estados de saúde em populações humanas, os fatores que determinam a distribuição e resultados comerciais das ações de controle
  • Esta definição resume as três fases de raciocínio epidemiológica (científico) nomeadamente :

– eu’observação e descrição do’evento,
– suposições e l’explicação de sua ocorrência
– e finalmente lá’avaliação de ações de cuidado e prevenção.

  • Então, segue-se que a filosofia, eu’epidemiologia descritiva, analítico e avaliativo.
  • Também podemos citar l’epidemiologia preditiva : com dados passado, oferece modelos e cenários no’curso futuro da doença, variando a presença de determinantes tomado como parâmetros.

II- MÉTODOS em epidemiologia :

O raciocínio epidemiológico construído de acordo com uma progressão natural:

  • Descrição das condições de saúde : Útil para o monitoramento e planejamento de saúde e geração de hipóteses de investigação.
  • epidemiologia etiológica ou analítica para verificar ou refutar as hipóteses ou, As causas da doença e medir os riscos correspondentes.
  • Epidemiologia avaliativa para determinar l’interesse el’contribuição das intervenções para’escala d’uma população

III- ANALÍTICO EPIDEMIOLOGIA :

  • Ele procura determinar o papel que um ou mais fatores podem desempenhar na gênese da’uma ou mais doenças.
  • Doll and Hill, no início dos anos 50, destacou’existência d’uma relação causal entre l’uso de cigarros e’aumento do risco de câncer broncopulmonar.
  • Este exemplo mostra que l’A associação entre exposição e doença é uma informação muito mais forte quando’é destacado no contexto de’um estudo planejado para esse fim somente quando’é observado por acaso.
  • Ele gera medições de’associação e estabelece causa e efeito.
  • Ela exige a criação de dois grupos :

– Expostos ao fator de risco e não exposta
– Ou doentes e não doentes.

  • eu’observação do fator e da doença pode ser feita ao mesmo tempo, c’é o caminho síncrono ou transversal. Ou em momentos diferentes c’é’estudo longitudinal, c’é dizer que eu’fator e exposição’distinção da doença e eu’exposição precede a doença.

IV- CONCEITO DE RISCO :

1- Significação :

Probabilidade de ocorrência de um evento de saúde (doença, morte…) em uma população em um determinado momento ou durante um determinado intervalo de tempo após a’exposição a um ou mais fatores de risco

2- Risco ou medidas de risco’Associação :

Definir claramente as definições das medidas’associação, distinguimos vários tipos de metodologia d’pesquisa de acordo com a cronologia da coleta de dados e o tipo de comparação realizada.

  • coorte pesquisa
  • testemunhas de casos de investigação
  • investigações transversais

Estudos analíticos gerar indicadores de risco ou medidas de associação.

→ Disease Risk : c’é o risco de ficar doente durante’um período ( t,t + dt ), correspondendo assim à probabilidade de adoecer durante este período. É igual ao número de novos casos registrados entre t e t + dt dividido pelo número de indivíduos sem a doença no início do período ( t ).

CRITÉRIOS CAUSAL :

  • consistência da associação observada : reprodutibilidade
  • força d’Associação
  • especificidade da associação
  • consistência cronológica
  • efeito gradiente de dose
  • consistência com o conhecimento biomédico (plausibilidade biológica )
  • argumentos experimentais

V- Um estudo referido etiológico LONGITUDINAL :

Eles seguem uma abordagem direta ou para baixo.

  • Estudo direta : Começa com a classificação de indivíduos da população d’estudo após l’exposição ou não a um fator de risco (estudo de coorte)
  • inversa estudo ou inversa : Os indivíduos são classificados de acordo com a presença ou não da doença e procura-se’exposição ao fator estudado (estudo de controlo de caso)

1- Surveys coorte :

uma- definição :


benefícios :

  • Estudo do risco de várias doenças
  • exposições raros. Ex: exposição a’atazanavir e início da litíase
  • sequência cronológica exposição / doença mais fácil de estabelecer
  • Dados d’incidência e, portanto, melhor estimativa de risco (RR)
  • Surveys coorte

desvantagens :

  • Muitas vezes caro e tempo
  • perdeu para
  • Poucos artistas para doenças raras, ou latência longo
  • Surveys coorte

b- Medidas de’Associação : risco relativo :

= RR = risco relativo [uma/(a + b)] / [c /(c + d)]

Apresentação de dados :

doente não está doente Total
Expor uma b a + b
não expostos c d c + d

– o: incidência de doença em expostos (um / a + b), os de risco = RI
– Ine: incidência de doença em não exposta (c / c + d), lne risque R2 =
RR = RI / R2
A proporção desses dois riscos nos dá uma medida de’associação = risco relativo:
C’é a razão da taxa d’incidência em indivíduos expostos à taxa de’incidência em indivíduos não expostos.

c- Medidas de’Associação: interpretação : Interpretação da RR

2- Caso-controle :

uma- definição :

  • estudo retrospectivo
  • Selecção da população de acordo com a presença ou ausência de doença critério
  • pesquisa retrospectiva de exposição a fatores de risco

benefícios :

  • interesse :

– resultados rápidos
– baixo custo

  • indicações :

– Doenças cujos períodos de latência são longo, ex: câncer de tabaco e de pulmão
– doenças raras
– Estudo de vários fatores de risco para uma doença única, ex: câncer’esôfago e exposição ao tabaco e tabaco’álcool

desvantagens :

  • Não é adequado para’estudar :

– Várias doenças O exposições raros
– A relação temporal entre a exposição e doença

  • Não permitir o cálculo direto de taxas’incidência de doença em pacientes expostos e não expostos :

– por OR Estimativa de Risco (Razão de probabilidade)

  • Através Os riscos são selecção particularmente importante e memória (coleção retrospectiva)

b- d & rsquo medidas Association : OU

Odds Ratio = OR = ad / bc

Expor não expostos
caso uma b
testemunha c d

Costa d’exposição nos casos = a / b Costa d’exposição nos controles = c / d

Assim, definimos a razão da costela d’Exposição RC ou Odds Ratio, que representa uma estimativa do risco relativo.

Ele compara as costelas de’exposição entre casos e controles,

  • Ou apresenta uma ligação simples entre um factor de risco e a presença da doença.
  • desvantagem: não permite saber se a doença apareceu antes ou depois de’exposição.

c- d & rsquo medidas Association: interpretação Interpretação OU :

WE- ESTUDOS AVISADO etiológico CROSS :

uma. definição :

  • Investigação por um período especificado: "Photograph"
  • objectivo especialmente descritiva
  • Medida d’prevalência: exposição ou doença
  • amostra representativa população

benefícios :

  • facilidade de implementação

desvantagens :

  • viés selecção (pacientes que receberam alta do coorte de pacientes por exemplo)
  • exposição relação temporal – doença ?

prevalência relatório → Estudos transversais
prevalência na exposta (P exp)
prevalência entre unexposed (P é exp)
– razão de prevalência: R = P exp / P é exp
– Em amostras eletivas contra doença, nós podemos lá’analisar matematicamente como uma investigação real de controle de caso.

VII- OUTRAS MEDIDAS D’ASSOCIAÇÃO :

1- risco atribuível :

C’é : taxa de pacientes em pessoas expostas taxa menos doente não exposta entre. Ela representa a parcela do fator de risco estudados exclusivamente ligada à.

2- Frações etiológicas d’um risco :

A parcela de’implicação d’risco na ocorrência de’uma doença (ou se o factor de impacto é protectora ) pode ser expressa através do cálculo de fracções atribuíveis. Diga que a fração do risco d’um dado fator na população é 80% , meios 80% casos são devidos apenas a esse fator e podem ser evitados s’ele foi eliminado (2).

VIII- CONCLUSÃO :

  • O conceito de risco é muito importante em Epidemiologia.
  • Ele é baseado em levantamentos epidemiológicos analíticos.
  • eu’pesquisa de coorte continua sendo a mais precisa
  • Em testemunhas práticas atuais investigações de casos e estudos transversais são os mais utilizados.
  • A redução dos problemas de saúde é baseada na prevenção e, portanto, requer conhecimento rigoroso dos riscos envolvidos na’onde’valor dos estudos de coorte (longitudinal)

Curso do Dr. Z. laib – Faculdade de Constantino