Integração do metabolismo do tecido

0
7181

Eu- Introdução :

Em sistemas de muitas vias metabólicas vivendo operar simultaneamente. Cada d’eles devem ser capazes de detectar o’condição de outros, a fim de funcionar de forma otimizada e atender às necessidades de’um organismo. Quais são os princípios do bico d’integração do metabolismo do tecido ?

II- Interligação de vias metabólicas :

A estratégia básica do catabolismo é criar’ATP, reduzindo a potência e os módulos básicos para a biossíntese.

  • eu’ATP é l’unidade universal de energia. O potencial de transferência de ATP de ligação grupo fosforilo permite a este último ilha foi usada como uma fonte de energia na contração muscular, transporte ativo, eu’amplificação de sinal e biossíntese.
  • ATP é produzido pela oxidação de moléculas de energia, tal como glucose, ácidos gordos e aminoacidcs. eu’O intermediário comum da maioria dessas oxidações é a acetil CoA, que é completamente oxidada a CO2 através do ciclo do ácido cítrico com a formação concomitante de NADH e FADH2. estes

última transferência de seus electrões para a cadeia respiratória para formar ATP.

• NADPH é o principal doador de’elétrons na biossíntese redutiva.

As fontes de fosfato de pentose mais do NADPH necessário.

  • Biomoléculas são construídos a partir de um grupo relativamente pequeno de módulos elementares.
  • As formas de biossíntese e degradação são quase sempre separado. Esta separação permite que as vias de biossíntese e degradação de ser termodinamicamente favorável em todos os momentos. A separação das vias biossintéticas e vias de degradao contribui grandemente para a eficácia do controlo metabólico.

1- unidades de repetição de regulação metabólica :

O anabolismo e. catabolismo deve ser coordenada com precisão. O metabolismo é controlado de diferentes formas :

– interações allostériques : As enzimas que catalisam a via metabólica envolver passos são allostériquemcnt regulamentado (caso de acetil-CoA carboxilase na síntese de ácidos gordos). Estas interacções lhes permitir ajustar a sua actjvité com base em sinais detectados.

– modificação covalente : Algumas enzimas reguladoras são controlados por modificação covalente (fosforilação exemple), em adição para as suas interacções alostéricas.

– Taxa de enzima

– leão compartimento.

– especialização metabólica de órgãos.

Vias opostas, como gliconeogênese e glicólise, estão sujeitas à regulação recíproca de tal forma que’geralmente um caminho está quiescente quando o’outro é muito ativo.

2- vias metabólicas essenciais :

Glycolyse : via citosólica, molécula converte a glicose em duas moléculas de piruvato com produção concomitante de ambos ATP e duas moléculas de NADH.

ciclo do ácido cítrico e fosforilação oxidativa.

Pentose fosfato percurso.

Gluconéogcnèse.

Síntese e degradação de glicogénio.

A síntese e a degradação de ácidos gordos.

3- encruzilhada metabólicas :

Há três cruzamentos chave : le glicose 6-fosfato, piruvato e acetilCoA.

Para metabólica da glicose 6-fosfato
Chave para piruvato metabólica e acetil-CoA

III- perfil metabólico dos diversos organismos :

As demandas de energia celular são variáveis ​​d’um pano que eu’de outros.

UMA- o cérebro :

A glicose é praticamente a única molécula de energia do cérebro humano, é glueo- dependente. Ele não tem reservas de energia .11 consome cerca I20g / dia . o que corresponde a 60% do consumo de glicose por l’conjunto de’corpo em estado de repouso.

A glicose é apresentado às células do cérebro pelo transportador não insuliiio depetulant glicose GLUT3.

Los jejum, eétoniques o corpo parcialmente substituir a glucose como uma fonte de energia.

B- o músculo :

O principal músculo moléculas de energia são a glicose, e ácidos gordos corpo cétoiliques. Este é o armazenamento de ligação 3/4 corpo de glicogênio.

no pós-prandial, músculos usam d’primeiro a glicose d’origem alimentar.

em repouso, gorduras Ucides são a principal fonte de energia que satisfaz 85% necessidades energéticas.

Durante um exercício de alta intensidade de curta duração, eles só usam a glicose. o

leitura glicólise velocidade excede em muito a do ciclo de ácido cítrico e a maior parte do piruvato lactato é reduzida à medida que passa através do fígado onde é convertido em glicose (ciclo de Cori).

Quando "ler jovem, eles usam corpos cetônicos, ou amino ácidos. poupando glicose para o "de" Luco dependente (células vermelhas, células brancas do sangue, medula renal, retina….).

C- miocárdio :

Ao contrário do músculo esquelético, miocárdio trabalha quase exclusivamente aerobicamente. \ »sem reserva de glicogênio, ácidos graxos são a principal fonte de’energia além de cetonas, lactato mas menor grau de glucose.

D- O tecido adiposo :

Triglicerídeos inclinadas no tecido adiposo é um enorme reservatório de energia metabólica. Estes são essencialmente feitos para as células de gordura por VLDL sintetizados um fígado.

no pós-prandial, tecido adiposo usa primeiro a glicose de origem alimentar. caso contrário, que consome idos gordos de preferência.

E- o fígado :

As atividades metabólicas "fígado leitura são essenciais para o fornecimento de energia para o cérebro, músculo e outros órgãos periféricos. Ele pode rapidamente mobilizar glicogênio e gliconeogênese executar para satisfazer as suas "necessidades de glicose.

Ela desempenha um papel central na regulação do metabolismo lipídico. Quando a energia está ácidos gordos abundantes são sintetizados, esterificados, em seguida, dirigida para o tecido adiposo. No estado de jejum, contudo, Os ácidos gordos são convertidos em cetonas pelo fígado.

no pós-prandial. fígado primeiro usa a glicose dietética, de outro modo ele consome "os ácidos gordos preferência mas também -cétoacidcs derivada a partir da degradação de amino ácidos.

IV- reservas de energia :

A qualidade e reservas de energia pode variar de um tecido para outro.

UMA- a glicose :

  • A glicose é armazenada como glicogênio no fígado (I50g) e músculo (300g).
  • As reservas de energia de carboidratos, como glicogênio é muito limitado: energia glicogênio independência fígado é 24.

B- ácidos graxos :

  • Os ácidos gordos são armazenados como triglicerídeos no fígado e, especialmente, no tecido adiposo (sobre 10% peso corporal).
  • As reservas de energia de lípidos são quase ilimitadas.

C- amino árido :

  • proteínas musculares não são. d’um ponto de suor energético, um amino ácido estoque : eles são atribuídos à contração.
  • contudo, durante o jejum prolongado, proteólise muscular produz amino ácidos que são usados ​​para fins energéticos.

V- O metabolismo dependendo da actividade do ciclo e músculo-jejum poder :

Há três situações particulares :

o pós-prandial : Estes são o 4 horas depois de ter uma refeição

  • O período de jovem
  • O período de actividade muscular.

Todas as adaptações metabólicas como objectivo manter a homeostase da glicose, isto é um glicose constante de sangue. Nas duas últimas situações, A glicose é vulgarmente utilizado tecidos dependentes de glicose enquanto outros combustíveis energéticos (ácidos gordos e os corpos cetónicos) são oferecidos aos- tecidos menos exigente no que respeita à natureza do substrato energético.

Em tempos de pós. Prandial

Após Ao tomar uma refeição, a glicose, amino ácidos e ácidos gordos são transportados a partir do intestino para o sangue. Isso leva graças ao’aumento da relação insulina / glucagon (eu’a insulina é secretada pelas células P das ilhotas de angherans do pâncreas endócrino em resposta a’aumento de açúcar no sangue, glucagon por células Ct em resposta à diminuição da glicose no sangue) :

  • Utilizando a glicose como substrato energético para a maioria dos tecidos.
  • O início da anabolismes (Reserva de Desenvolvimento de moléculas de energia) :
  • a síntese de glicogênio nos músculos cl fígado (a partir da glucose e aminoácidos gliconeogênicos.
  • lipogénese no fígado e tecido adiposo (a partir de glicose e os ácidos aminados).
  • a síntese de proteínas.

Em tempos de jovem :

nível de glicose no sangue começa a diminuir várias horas após uma refeição, o que leva a uma diminuição na secreção de’insulina e aumento da secreção de glucagon (diminuir na proporção de insulina / glucagon) que sinaliza o’estado de jejum.

O nível normal de glicose no sangue é com inniiilcnii :

  • em glicogenólise hepática.
  • na gliconeogênese hepática (em particular, a partir de glicerol).
  • Na lipólise do tecido adiposo.

Quando o jejum é prolongada (além de um dia) glycogenolysis se esgota, falta de glicogênio, a lipólise do tecido adiposo é amplificado, como a gluconeogénese hepática a partir de glicerol e os aminoácidos produzidos por proteólise muscular desencadeada pelo cortisol.

Cetogênese começa a partir de ácidos graxos lipolíticas. Os corpos cetônicos que cobrem uma parte crescente das necessidades de energia do cérebro, especialmente muscular e miocárdio.

Em tempos de & rsquo; actividade muscular :

adaptação metabólica é desencadeada pela adrenalina (secretado pela medula supra-renal) e noradrenalina (as terminações nervosas do sistema nervoso simpático) secretada em resposta à diminuição da glicose no sangue.

– A atividade muscular de alta intensidade e duração curta (corredor de velocidade)

  • Músculos não consomem glycogenolysis anaeróbio glicose após a sua própria ea do fígado.
  • convertidos gluconeogese hepica lactato a partir de glicose para a glicólise músculo transferido para o músculo (ciclo de lactato-piruvato Cori).

– A atividade muscular de intensidade moderada e de longa duração (maratonista)
Músculos consomem aerobicamente :

  • Glicose derivada de sua própria glicogenólise.
  • Os ácidos graxos de origem lipolítica.
  • Amino ácidos proteólise desencadeada pelo cortisol. A alanina é libertado da gluconeogénese hepática músculo substrato (alanina-piruvato ciclo de Felig).

Curso do Prof. S.A. HAMMA – Faculdade de Constantino