úlcera gastroduodenal

0
8047

definição :

C’é a destruição local da mucosa gástrica e / ou duodenal s’estendendo-se’para o muscular.

Eu- INTERESSE PERGUNTA :

– prevalência diminui
– Convulsão conceito Physiopath
– Hp ++++
– dados de IBP, Mais’endoscopia, cirurgia menos

II- EPIDEMIOLOGIA :

1- predomínio :

– 10%
– eu’úlcera duodenal é 3 para 4 vezes mais que l’úlcera gástrica.

2- idade :

– UD : juventude 40-50 anos
– UG: velho 55-65 anos

3- sexo :

A doença ulcerativa é mais comum em pessoas’masculino do que feminino uma proporção de 4/1 para’úlcera duodenal 2/1 para’úlcera gástrica.

III- FATOR DE RISCO :

1- ambiental :

infecção Hp +++ :

  • papel direto na génese PUD (90% des UD = + Hp).
  • Hp :BGN, coloniza mucosa persiste tipo antrais no tratamento ausência de lesões no estômago induzida inexoravelmente

2- Medicado :

8-20% : relacionados com a ingestão de drogas aumentou complicações de risco ASPIRINA,AINS ,CTC

3- tabaco :

Aumenta o risco de úlcera ocorrência
diminui a velocidade de cicatrização
aumenta o risco de recorrência
majorises ocorreram complicações

4- álcool :

controverso

5- Estresse :

debate

IV- FISIOPATOLOGIA :

  • multifatorial
  • LOCALIZADA auto-digestão MUCOSA
  • EQUILÍBRIO ENTRE violação e F F .AGRESSION. DE DEFESA:

assalto : Excesso de produção de’acidez gástrica.
defesa : alteração da barreira mucosa.
Hp +++++++++

V- FISIOPATOLOGIA :

UMA- Diferença entre UG / UB :

UG : defesa fraca
UD : preponderância de’ataque

B- defesa :

Eles se reuniram sob o termo MUCOSA BARREIRA. S’opõe-se à retroespalhamento dos íons H +

  1. Barrière muco bicarbonatos
  2. epitélio de superfície com o seu volume de negócios, Tight-junção
  3. microcirculação : troficidade, regulação H +
  4. reparação, angiogénèse

Várias anomalias BMG descritos em MUGD

WE- DIAGNÓSTICO :

A / CLINIC :

sintomatologia clínica idêntico

1- síndrome de dor típica :

  • 50%
  • assento epigástrica ou HCD
  • crônico
  • Pontuado por refeições
  • periodicidade
  • ingestão acalmado

2- atípico :

  • não específica : vómitos, dispepsia, hiperálgico
  • assintomática: idoso

3- exame físico = normal

B / FECHADO :

  • Simples, fácil, rápido, sensato, específico : biópsias + Hp Pesquisa
  • Especifique a topografia, seu nome, eu’aparência macroscópica, o tamanho, e sinais associados
  • sinal de cura: área deprimida, dobras de convergência, linha branca, retrátil, deformação da ampola, pseudodiverticule

1- UD :

– defeito +/- profundo
– fibrina fundo
– jauneatre branco-color
– assento : Fazer antérieur +++
Face.post = sangramento cpc
– formulário: em torno de 70%
irregular 20%
linear 8%
salame 2%
– tamanho: 5-10milímetros

Biópsias e CONTROLE = Não é indicado se :
– SF persistente
– complicações ATCD
Si FDR : AINS, joio

2- UG :

Benin : – regular
– em torno de, oval
– esbranquiçada fundo
– bordas regulares
– Dobras convergente regulares
– mucosa circundante flexível

Malin : – irregular
– arestas & fundo nodular
– dobras espessas, orientação anárquica
– redondezas mucosa infiltrada, difícil

10-12 biopsia; 4 mostradores

biópsias de controlo de cicatrização de úlcera maligna pode cicatriz!!!!!!!!!

– sem cura
– tamanho aumento
– aspecto modificação
– bx suspeito

CIRURGIA

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL C / :

  1. patologia funcional
  2. patologia orgânica

DOR PARA : biliar, pancreático, cólica Extradig: coronária / pulmonar

UG: – kc gástrica
– LM N H
– Tm stromale
– tuberculose
– Crohn
– Syphillis
– COM

VII- COMPLICAÇÕES :

1/ hemorragia :

  • A causa mais comum de HDH = 50%
  • MUBD>CANECA
  • eu’hemorragia pode revelar doença ulcerativa
  • paragem espontânea = 80% dos casos
  • mortalidade 8-10%

CLASSIFICAÇÃO DE FORREST : HEMORRÁGICA RISCO

Stade Ia : jet sangramento
Stade Ib : sangramento ply
Stade IIa : Vx visível
Stade IIb : coágulo aderente
Stade IIc : manchas pigmentadas
Stade III : úlcera gástrica (úlcera limpa)

predomínio reincidência mortalidade
Forrest Meu IIA 25 % 35 % 11 %
Forrest IIb 15 % 10 % 7 %
Forrest IIc 60 % < 5 % 2 %

tratamento :

  • O do’choque hipovolêmico
  • O do’hemorragia
  1. médico +/- endoscópico
  2. cirúrgico
  • erradicação prevenir a recorrência Hp

TERAPÊUTICAS MEIOS :

  • antissecretora : IPP ++

– não’eficácia hemostática
– No entanto, altas doses de’Recomenda-se IBP em IV associado à TRT endoscópica.
– Omeprazol eficaz se os membros coágulos ou não escorrendo vx
– Nenhum efeito se o sangramento jet ou folha

  • endoscooiaue tratamento :+++

Métodos de’injeção : adrenalina, etanol, polidocanol, salina, epinefrina… métodos térmicos : eletrocoagulação, laser, sonda aquecimento
Novos métodos : clipes, ligadura elástica, plasma de árgon

  • eficiência equivalente : métodos de’injeção : simplicidade / custo ↓
  • Indicações não discutida : eu’hemorragia ativa e VX visível
  • TRT CHIRURGICAL

– Declínio da cirurgia : tratamento endoscópico +++
– indicações : hemorragia maciça se a falha ou indisponibilidade de tratamento endoscópico
– cirurgia : hemostase

2/ Perfuração :

  • segunda complicação
  • revela doença ulcerosa 1/4 casos
  • sua prevalência é estimada em 1 para 2 %.
  • A preponderância do sexo masculino é clara
  • eu’úlcera gástrica está envolvida em 25 para 30 % casos.

mesa :

A perfuração de’uma úlcera duodenal pode ocorrer sem pródromos.
Favorecido pela tomada (aspirina, AINS)
eu’a úlcera é tipicamente localizada na superfície anterior ou superior do bulbo duodenal.

Sinais clínicos de peritonite por perfuração d’úlcera :

Ulcerativa perfuração auto peritônio envia um quadro de aguda peritonite generalizada.

A Noter : 40 para 60% = nenhum caso da crescente
Scanner : pode esclarecer o diagnóstico em algumas formas.
Não faça’endoscopia digestiva alta em caso de suspeita de perfuração

As formas clínicas perfurações :

perfuração coberta :
Em caso de recaídas frequentes ulcerativa, aderências com órgãos adjacentes podem ser criados em torno do primeiro duodeno (foie, vesícula, cólon).
Perfuração no’epiploons cavidade traseira.
Excepcionalmente, uma úlcera da superfície posterior do duodeno pode perfurar no’epiploons cavidade traseira
idoso :
A tabela pode ser enganosa em idosos

Princípios de tratamento de perfuração ulcerosa :

1- tratamento conservador (méthode de Taylor)

– a perfuração ocorreu jejum,
– ele é tratado rapidamente, em 6 horas,
– ele n’não tem febre, ou sinais de choque, ni d’hemorragia associada.

  • aspiração gástrica,
  • electrólitos e fluidos por via intravenosa
  • nutrição parenteral
  • antibióticos de largo espectro
  • poderoso anti-secretor por via intravenosa

2- O tratamento cirúrgico (sutura ou ressecção gástrica).

  • extensa lavagem da cavidade peritoneal
  • sutura única’úlcera com ou sem vagotomia associada

3/ estenose :

A multiplicação de crises com seus sucessivos episódios de cicatrização pode levar à fibrose progressiva do piloro responsável pela’uma alta oclusão
Saber diferenciar estenose inflamatória ou cicatricial Na maioria dos casos, é’age de’úlcera duodenal.
A prevalência é entre 1 e 2 %

tratamento :

agora : dilatação com balão é o preferido quando disponível e comprovada natureza benigna
O tratamento radical da estenose pilórica consiste de uma gastro-jejunostomia que vai contornar a área estenótica (entéroanastomose gastrointestinal) associada com o tratamento radical da doença ulcerosa.

VIII- TRATAMENTO :

Mas :

facilidade, curar, complicações Evitar, prevenir recaídas

ESTRATÉGIA :

Com base na base fisiopatológica da doença

uma- DESEQUILÍBRIO entre as forças agressivas e PROTECÇÃO :

  • Restaurar o equilíbrio :
  • reduzir o ácido
  • efeito mucoprotective

b- HP INFECÇÃO :

– erradicação efetiva : COMO + ATB

1- TRT antisecretoire :

inibição da secreção de ácido pode ser um 2 níveis

  • o bloqueio do receptor na membrana apical nível
  • Inibição fase final no pólo basal da bomba de protões

UMA – Antagonistas do receptor H2’histamina :

  • Eles inibem a secreção ácida bloqueando seletivamente os receptores H2’histamina das células parietais da mucosa gástrica :
  • dose única antes do jantar => redução de’ácido noturno : 90%.
  • cura 4 semanas : 70% casos.
  • efeitos secundários (cimétidine +++)

=> desamparo, aumento de prolactina, distúrbios psicológicos.
=> interacções medicamentosas (metabolismo hepático) :
=> citopenias, cytolyse (rares).
=> diarréia

  • interações :

#teofilina.
# AVK (cimétidine).

B – Os inibidores da bomba de protões da bomba de protões :

  • Eles bloqueiam o’atividade de’enzima H + -K + -ATPase
  • eficiência ++++
  • efeitos secundários

=> Algumas interações com varfarina.

Que tratamento de’erradicação de’Hp ?

1/terapêutica tripla clássica :

– IPP x2 + lgx2 amoxicilina + 500mgx2 claritromicina
– IPP x2 + lgx2 amoxicilina + metronidazole500mgx2

2/processamento sequencial:

– IPP x 2 + amoxicilline lg x 2 pingente 5 dias, em seguida
– IPPx2 + metronidazol 500mg x 2 + claritromicina 500 mg x2 durante 5 dias)

3/o quadritherapie:

(IPP x 2 + PYLERA ®) pingente 10 dias.

2- cirurgia :

Mas :

UB : reduzir a acidez de forma constante
UG : diagnóstico dúvida , desenvolvimentos adversos

bases Phvsiopath :

  • A estimulação das células parietais por mecanismos neurais
  • células hipersecreção em L e HCl

técnicas :

  • VT + drenagem gesto (lentidão gástrica)
  • VTS + drenagem gesto
  • VTHS
  • antrectomia
  • GEA
  • gastrectomias

Os pontos importantes :

  • úlcera gástrica ou duodenal é uma crônica recidivante.
  • O papel patogênico da’infecção crônica por Hp agora está bem demonstrada e sua erradicação ajuda a prevenir recorrências.
  • As úlceras secundárias tomar aspirina e os AINEs estão crescendo aumento. Eles ocorrem mais frequentemente em pacientes idosos, polimedicados com doença cardíaca, respiratório, renal ou hepática associada.
  • A síndrome típica da úlcera consiste em epigastralgia pontuada pelas refeições com um intervalo entre a refeição e a dor.’evolução periódica.
  • O diagnóstico da úlcera péptica requer a realização de’uma endoscopia digestiva alta que permite o diagnóstico de úlcera, sua localização, e realizar biópsias para procurar uma infecção por Hp associada e eliminar o câncer em caso de’úlcera gástrica.
  • As principais complicações das úlceras pépticas são:’sangramento gastrointestinal (o mais comum), perfuração e estenose.
  • O tratamento da úlcera é baseado em’erradicação de’Hp combinando dois antibióticos e um inibidor de bomba de prótons de dose dupla.
  • Prevenção de úlceras iatrogênica (A aspirina e outros antiinflamatórios não esteróides) pode ser proposto em qualquer paciente com mais 65 anos, no caso de’história de’úlcera e / ou d’hemorragia digestiva e em indivíduos com patologias que favorecem o aparecimento de’úlcera (doença cardíaca, insuficiência respiratória, insuficiência renal e doença hepática) ou sangramento desordem.
  • A cirurgia de úlcera está agora quase exclusivamente reservado para complicações (sangramento após o fracasso da endoscopia, estenose ou perfuração).

Curso do Dr. Belghazi – Faculdade de Constantino