perturbações psíquicas associadas com o puerpério

0
5440

Eu- Introdução :

O curso de’gravidez e nascimento de’uma criança s’acompanhar em todas as mulheres modificações afetivas que se originam nos transtornos corporais e nas mudanças psicológicas inerentes à pureza,muitos fatores podem comprometer a’maternidade bem sucedida : Fatores relacionados ao terreno biológico, para’história individual e’organização da personalidade e fatores situacionais relacionados às relações da mulher com seu ambiente conjunto, família, social e ambiente cultural.

II- epidemiologia :

hospitalizações psiquiátricas durante os puerpéralié variam 1% 2% O entregas, particularmente no 02 primeiros meses de’parto.

III- durante a gravidez :

Gravidez s’frequentemente acompanhada de pequenas mudanças psicológicas e comportamentais : labilidade emocional, períodos disfóricas, momentos d’apatia ou d’irritabilidade, distúrbios do comportamento alimentar do tipo D’desejo ou bulimia.

eu’ansiedade é principalmente em 1é trimestre (teme sobre o bebê, medo que’onde ele morre’nasce mal formado e no decurso da gravidez e’parto.)

eu’a ansiedade tende a diminuir no segundo trimestre nas semanas anteriores’parto l’ansiedade e distúrbios do sono são comuns.

Entre os distúrbios psicológicos é conhecida :

  • Vómitos e náuseas : ocorrer noc‘trimestre, em 4 gravidezes 1000 a liderança vómitos graves tornam-se a um estado de desnutrição ou psychopolynévrite ao tipo deficiência Wernickekorsakoff.
  • Alguns hipertensão da gravidez : a ansiedade e depressão são comuns entre as mulheres cujo acompanhamento psicológico deve acompanhar o monitoramento somática.
  • manifestações depressivas : (10% gravidez) tearfulness, astenia, sentimento de’incapacidade e comprometimento, busca emocional e várias queixas somáticas

eu’depressão do primeiro trimestre pode ser’agravamento de’um estado de ansiedade preexistente ou constitui a primeira manifestação patológica em uma mulher até que seja equilibrada.

Foi encontrada uma correlação positiva entre a ocorrência de’depressão na gravidez e a idade gestacional jovem abaixo 20 anos, eu’ambivalência em relação à gravidez, ausência do par estável, isolamento emocional, dificuldades materiais. S depressão melancólica :(raro) geralmente ocorre na 2ª metade da gravidez,curto prazo, é preciso uma confusão e ritmo delirante, pode continuar durante a primeira semana após o parto.

Gravidez parece desempenhar um papel protetor vis-à-vis as condições psiquiátricas média.

Psicoses de gravidez seria 5 tão frequente como psicoses pós- partum.

O acesso melancolia são raros, acesso maníaco são excepcionais.

pouco surtos esquizofrênicos são observados, gravidez provoca uma remissão de distúrbios psicóticos.

Cuidado com recaídas agudas após’parto.

Os delírios de ansiedade devem ser relatados em l’efeito dos betamiméticos (salbutamol).

Um nascimento dramático onde a mulher está’sente-se em risco de morte e / ou deu à luz uma criança morta ou com deficiência ^ int’um TEPT. (Em l’ocasião d’novos sintomas traumáticos da gravidez acordam por volta do sétimo mês (ansiedade, dysphorie, pesadelos, fobia d’adormecer, o risco de recorrência d’acidente obstétrico é alto.

IV- depressão pós-parto :

Poucos dias após o parto aparecem em cerca de metade das novas mães (30 para 80%) neuropsiquiátrica manifestações menor "pós-parto blues" "blues maternidade" "síndrome do 3º dia"

Os "blues" pós-parto tem : astenia, queixas somáticas, Crise lágrimas iterativos ou prolongado, ruminações pessimistas relacionadas ao recém-nascido com “medo de não saber’ocupe "ou" d’ficar impressionado "

eu’o humor é instável vai da disforia da ansiedade ao júbilo intenso, dificuldade de concentração, distúrbios de memória. Algumas dificuldades no início do’a amamentação reforça sentimentos de’incapacidade e mergulha na desordem. lactação contemporânea "postpartum blues" é atribuído a agitação hormonal puerpério.

O estrogênio deflação súbita e progesterona nos resultados do 1º dia na desestabilização do metabolismo neuronal.

V- psicose pós-parto :

eu’Escola francesa fala de "psicose puerpural", que tem as seguintes características :

  • Começando nas primeiras semanas pós-parto
  • Clínica’um sopro polimórfico delirante com elementos confusos e tímicos (frenesi centrada na negação casamento, maternidade)
  • mudando sintomatologia
  • evolução fluctuante
  • prognóstico

gesto infanticídio / ou suicida é sempre possível.

D’outras tabelas podem ser vistas :

→ Acesso maníaco : é caracterizado por :
+ início súbito
início precoce (2 semanas depois’parto)
+ eu’intensidade de’inquietação e desorganização psicótica
+ A frequência de produções alucinatórias e delirantes (idéia de onipotência, da missão divina, erotomaniacs ou temas persecutórios.

→ Estados mistos são frequentes

→ Depressivo Maior Acesso :
+ início precoce
+ Allure stuporeuse, confundindo ou misturado
+ A maioria tem um olhar de delirante melancolia (a criança) com risco de raptus e / ou infanticídio suicida
+ Às vezes a tabela d’aparência hipocondríaca com astenia intensa,insônia, emagrecimento, esgotamento físico e intelectual, várias queixas somáticas, manifestações de’aparência neurótica.
+ Fobias’pulso obsessivo ou ruminações.

→ Estados esquizofrênico :
+ Às vezes, o puerpério parece ter precipitado a’afeto em mulheres de personalidade rígida e esquizóide até bem adaptadas,
+ 10 para 15 % pós-parto psicose podem progredir para a esquizofrenia.

WE- minor depressão pós-parto :

  • Estado depressivo menor que ocorre no’ano seguinte l’parto,
  • A prevalência de 10 para 20 %,
  • Era < 20 anos primipare ou além 30 anos.
  • As principais dificuldades familiares no’infância da mãe e separação precoce dos pais,
  • transtornos psiquiátricos gravidez existente,
  • distúrbios psicológicos durante a gravidez,
  • eu’atitude negativa em relação à gravidez (gravidez indesejada),
  • tensão emocional e isolamento,
  • Gravidade melancolia pós-parto.
  • eventos défavorablesvécus durante o tempo da puerpuralité.

A depressão da mãe ressoa no’criança pode levar a abuso grave.

VII- pós-aborto depressão :

  • abortos espontâneos são seguidas em 2/3 casos de’reação depressiva (desapontamento,arrepender, doloroso sentimento de perda) d’menos de uma semana,
  • em abortos : constante é em 5 para 10 % casos, um “breve blues pós-aborto” marcado pelo’asteniaftristeza,arrependimentos, tearfulness, hostilidade para com o parceiro,
  • abortos terapêuticos excepcionais.

Psicose e depressão maior após o aborto são raros de que a psicose pós-parto provavelmente porque as alterações neuro-hormonal são menos.

VIII- tratamento :

  • psicoterapia de apoio,
  • terapia de casais,
  • terapia família.
  • Antidepressivos em depressão grave,
  • Apoio para a relação mãe-filho,
  • Psychothropes dependendo da clínica,
  • ECT vezes mais eficaz do que a quimioterapia,
  • Como precaução : métodos de preparação’parto (grupo focal ou d’coletivo de informações).